sexta-feira, 24 de outubro de 2014

O País está borrado de medo!

Passos Coelho barricou-se no comando do PSD – e por enquanto também no do País. Segundo o jornal ‘Sol’ não se inibiu de disparar ameaças para dentro e para fora do partido:
Confesso ter ficado borrado de medo com o tom ameaçador do tirano (*) de Massamá, fundador da ONG, Centro Português para a Cooperação (CPPC), administrador da Tecnoforma e das sociedades do afável companheiro Correia. Homem e político de vida límpida, segundo os acólitos.
Saturado das crueldades e das injustiças sociais de um ex-jota sem palavra, carácter e escrúpulos – e pelos vistos sem os papéis, no Ministério de Mota Soares, da tal CPPC de que recebeu dinheiro reembolsado e embolsado (quanto não se sabe!) – além de mim, muitos outros cidadãos devem estar ‘borrados de medo’ com o tom ameaçador do cavalheiro.
Custa perceber a Passos que, na Europa de hoje de Democracias e regimes pluripartidários, o poder, uma vez negado pelo voto, tem hipóteses diminutas de reconquista. Se a violência é meio difícil, igualmente é complexo captar o poder pelo voto de gerações massivas de desempregados, de jovens sem perspectiva de vida salvo a de emigrar, reformados e pensionistas espoliados, e mais de dois milhões de pobres, todos aqueles a quem os políticos desiludem.
Sei, todos sabemos, que a Zona Euro atravessa aguda crise do ponto de vista económico e social, e até político; mas, em Portugal, dificilmente será este o homenzinho capaz de capturar o País através da imposição de um regime autoritário. Não o imagino a comandar um assalto ao Palácio de Belém, ou mesmo a São Bento, organizado num batalhão e diversos pelotões comandados por Marco António Costa, Teresa Leal Coelho, Maria Luís Albuquerque, Luís Montenegro e outros. Todos a envergar uniformes militares, capacetes de guerra e armas em punho.
“Vou estar aqui”, diz ele. No café e a comprar o jornal em Massamá ou de charriot no ‘Continente’ da Amadora, digo eu. E para que a vidinha assim lhe corra, contará com uma correia amiga que o atrelará a um “tacho” bem remunerado.

(Adenda: Tirano (*) = s.m. Indivíduo que se apodera do poder soberano de um Estado (país ou nação). Aquele que governa de maneira injusta e cruel, colocando sua vontade e sua autoridade acima das leis e da justiça.)