sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A denúncia cortante do ‘Der Spiegel’

Os jornalistas domésticos, deste pequeno rectângulo, dedicam-se, na escrita, a um entretinimento de míopes e interesseiros. Raramente ultrapassam figuras e episódios de âmbito nacional, em textos críticos ou laudatórios em função de benefícios próprios, sectarismos e promiscuidades a que estão vinculados. Claro que este diagnóstico não tem dimensão totalitária, mas o objecto é suficientemente prevalecente, para o sentirmos chocante.
Da falta de ética, a par de outras, no desempenho de cargos políticos, eis dois parágrafos extraídos do jornal ‘Público’ de hoje:
e
Em contraste, no ‘Der Spiegel’, em denúncia cortante do capitalismo actual, e reflectindo uma visão ampla, global, que a maioria dos nossos jornalistas, míopes e enviesados, se revela incapaz sequer de vislumbrar, é possível ler o seguinte artigo:
“O Sistema Zombie: como o capitalismo tem saído fora dos trilhos
Seis anos após o desastre do Lehman, o mundo industrializado está a sofrer da síndrome do Japão. Crescimento é mínimo, um outro acidente pode ser uma cerveja e o fosso entre ricos e pobres continua a aumentar. A economia global pode ser reinventada?
Um novo chavão está a circular nos centros de convenções e auditórios do mundo. Pode ser ouvida no Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça e na reunião anual do Fundo Monetário Internacional. Banqueiros polvilham-no nas apresentações; políticos usam-no para deixar uma impressão em painéis de discussão.
O termo está agora mesmo a ser usado em reuniões de carácter mais exclusivo, como foi o caso em Londres em Maio. Alguns 250 ricos e mesmo indivíduos extremamente ricos, do Presidente do Google Eric Schmidt ao CEO da Unilever Paul Polman, reuniram-se num Castelo Venerado no Rio Tamisa, a lamentar o facto de, no capitalismo de hoje, haver muito pouco para a esquerda diminuta e para as classes de rendimentos mais baixos. O ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, denunciou falhas com a “distribuição desigual de oportunidades,” enquanto a Directora Geral do FMI, Christine Lagarde, foi crítica em relação aos numerosos escândalos financeiros. A anfitriã da reunião, investidora e herdeira de banco Lynn Forester de Rothschild, disse que estava preocupada com a coesão social, constatando que os cidadãos tinham “perdido a confiança nos seus governos.”
[…]
Esta é apenas uma tradução parcial. Quem pretender completar a leitura, pode aceder a este ‘site’.
Sabemos que, das individualidades citadas no texto, algumas são contraditórias entre a acção e as ideias que dizem defender. Christine Lagarde é um caso flagrante, a meu ver. Mas fica registado que a desigualdade na distribuição dos rendimentos, na actualidade, é também considerada como factor de destruição do sistema capitalismo da pós-modernidade, no parecer de alguns dos mais ricos do mundo.