quarta-feira, 15 de maio de 2013

O PIB caiu 3,9% no 1.º T, mas o importante é o pós-troika

A Economia Portuguesa - de resto, em sintonia com grande parte da Europa - caiu 3,9%, no 1.º T deste ano. O INE pormenoriza que o maior contributo para o agravamento (- 3,6% no 4.º T de 2012) provém da queda do investimento (Formação Bruta de Capital Fixo).
A única variável a registar aumento foi a Procura Externa. Trata-se de um resultado embusteiro, uma vez que é fruto da relatividade dos números e, sobretudo, facilitado pela queda mais intensa das Importação de Bens e Serviços.    
Não venha a troika, o governo e até o caquéctico Cavaco apregoar loas e mostrar-se eufóricos com a melhoria do Défice Externo, proporcionada, como é evidente, com a deterioração do padrão de vida dos portugueses. À menor procura interna está associada  a diminuição do consumo privado, e naturalmente de bens e serviços importados.
Todavia, com este cenário negro pela frente, o 'Xexé' de Belém entende que é estratégico convocar o Conselho de Estado para discutir 'o pós-troika', porque a destruição do País e das condições de vida de milhões de portugueses, em curso, é coisa de somenos.
Que gente reles nos tocou pela porta!