sábado, 14 de março de 2015

‘YDreams’ > ‘YNightmares’ ou o Sonho Transformado em Pesadelo

O empreendedorismo é considerado, em meios políticos e académicos, uma espécie de punção mágica de combate ao desemprego. Assenta no recurso a projectos empresariais de iniciativa pessoal ou de um número restrito de empreendedores, aspirando ser portadores de inovação – a propósito: o que é feito do jovem empreendedor Martim que foi revelado ao país como uma preciosidade do desenvolvimento empresarial a mandar pintar camisolas?
O falecido João Pinto e Castro (JPeC) desmontou clara e objectivamente que o conceito de empreendedorismo, inerente à ideia de sucesso na criação de emprego próprio, é fenómeno comum de países menos desenvolvidos, com economias estruturadas em tecido onde predominam microempresas. O empreendedorismo de êxito internacional, disse e demonstrou JPeC, é em regra um sucedâneo de grandes empresas e não de iniciativas de carácter individual e voluntarista.
Tenho estima e admiração por Nicolau Santos (NC), um dos poucos jornalistas económicos honestos e competentes nos conteúdos que redige e publica. Todavia, nem ele escapou ao entusiasmo cego à volta da YDreams, empresa tecnológica, Prémio Pessoa de 2006, e comandada pelo Professor Catedrático, António Câmara, no cargo de CEO.
A YDreams, dizia-se, tendia a ser a Google portuguesa. Agora, endividada em 18 milhões de euros, está a tentar salvar-se através do PER (Plano Especial de Revitalização). Oxalá atinja o objectivo de sobrevivência. Acima de tudo, conseguir a preservação de mais de uma centena de postos de trabalho, de especialização tecnológica, ameaçados de desaparecer. Todavia, as dívidas são demasiado elevadas – o Novo Banco, nascido velho, regista o maior crédito: 7,7 milhões de euros – e a revitalização parece-me comprometida.
Este ‘case study’, tal como o do BCP, ficará para a história económico-social portuguesa. É desejável que fique também como paradigma do que não deve fazer-se nem elogiar sem conhecimento profundo da viabilidade futura de cada projecto. 
O nosso jornalismo económico é de baixa qualidade e precipita-se com frequência a valorizar projectos e empresas, cujos perfis económicos e financeiros, a qualidade da oferta e da estratégia desconhece. Foi, em minha opinião, o caso da YDreams, com a figura do Professor António Câmara muito mediatizada e sem a avaliação de mérito do projecto que um analista autêntico não pode dispensar.