quinta-feira, 14 de novembro de 2013

A festa irlandesa

A Irlanda prescindirá do programa cautelar. Os mercados, depreende-se, vão ser generosos nos empréstimos a Dublin – taxas acessíveis (3 a 4%) para obrigações a 10 anos.
Eufórico, Kenny, o PM (Taoiseach em bom irlandês), anunciou a boa nova ao País. Segue-se a reunião do Eurogrupo, talvez regada a champanhe – quanto mais não seja em socorro de uma França que estiola na economia (queda do PIB no 3.º trimestre) e dilata na xenofobia.
O sucesso irlandês recomendaria contida prudência e algum pudor. Sobretudo, em respeito pelos milhares de irlandeses, injusta e severamente punidos. Cite-se o “The Irish Independent”: o PM Kenny, a despeito do final “feliz” do programa de resgate, lembrou:
“Os nossos desafios económicos e financeiros continuam a subsistir”, ou 
“Temos de estabelecer políticas do desemprego massivo para o pleno emprego”, ou ainda
 O problema da emigração involuntária para o regresso de tantos milhares de cidadãos nossos que tiveram de abandonar o país para encontrar emprego”.
Sei que aos mercados e investidores, as “bestas negras” da era hodierna, este tipo de problemas pouco importa. Todavia, não deixarão de os afligir a dívida da Irlanda (125,7% do PIB com o segundo maior aumento (15,5%) no 3.º T2013 - Eurostat).
Por último, refira-se que a decisão do governo irlandês não é consensual. O “The Irish Times” dá conta de haver economistas a defender que o recurso ao ‘programa cautelar’ teria sido preferível.
Esta festa irlandesa é como tantas outras. Sabemos como começou. Com tempo,
tomaremos conhecimento de como prosseguirá e do fim que a espera.