segunda-feira, 19 de maio de 2014

EUROPA - um excelente artigo do ‘Huffington Post’ (Tradução)

Autor: Robert Kuttner, em 18 de Maio de 2014
Título original: The Road to Euro-Fascism

Título adaptado em português: O Caminho para o Euro-Fascismo

Como a depressão da Europa continua seis anos após o colapso financeiro de 2007-2008, o relógio funciona para partidos de extrema-direita obterem grandes ganhos nas eleições desta semana para o Parlamento Europeu da UE. E porque não? O posicionamento dos partidos do centro-direita da Europa e do centro-esquerda têm de aplicar políticas de austeridade e os interesses dos bancos à frente de uma recuperação económica real para os cidadãos normais.
Há mais de 20 anos atrás, quando a União Europeia criou a sua constituição sob a forma do Tratado de Maastricht, a esperança era de que a Europa representava um tecido social compacto para colocar os cidadãos em primeiro lugar. A Europa, especialmente no norte da Europa, era um modelo de salários decentes, benefícios sociais universais e regulação que impediam a riqueza de inundar a cidadania.
Hoje, no entanto, governos centristas ou de centro-direita, que patrocinam a austeridade ou aprovam isso, governam em todas as principais capitais europeias como França, e a França é demasiado fraca para seguir o seu próprio caminho. A crise económica com a sua elevada taxa de desemprego só estimula mais migração, o que coloca pressão sobre os mercados de trabalho locais e empurra a classe trabalhadora local ainda mais para os braços da extrema-direita nacionalista.
Na Europa, os partidos protofascistas são anti-imigrante, anti-Islão, anti-semita e anti-europeu e anti-União Europeia e constituem agora o segundo ou terceiro maior festival num cinto de sociedades anteriormente liberais que se estende desde a Noruega e Finlândia aos Países Baixos e França. Na Hungria, onde o antidemocrático nacionalista partido Fidesz já governa, vence o partido mais extremista Jobbik que está a conseguir ainda maiores ganhos.
Já estivemos aqui antes, claro. O fascismo Europeu foi alimentado em clima de elevada taxa de desemprego e ortodoxia económica. Após a segunda guerra mundial, as elites da época estavam mais preocupadas com a sustentação de valores da moeda e cobrar dívidas de guerra do que com a condição real da economia.
As democracias perderam legitimidade com o seu povo. Quando a estagnação da década de 1920 se agravou na profunda depressão da década de 1930, as pessoas desistiram de democracia.
Grandes bancos e empresas, em lugares como a Alemanha nazista e a fascista de Itália, gostaram do colapso da democracia. O fascismo clássico estava em aliança com um estado autocrático, elites financeiras e desesperadas pessoas comuns, que trocaram o ultranacionalismo pelos caprichos da democracia que não estava a servir para eles.
Se isso parece familiar, está a ser repetido hoje. A liderança política da Europa, o Banco Central Europeu, sob o comando da Chanceler alemã Angela Merkel, colocam as necessidades dos bancos em primeiro lugar e por último as pessoas. Ainda não temos o fascismo alarmante, mas temos as pré-condições.
Uma sondagem do grupo ‘Open Europe’ projecta que os partidos anti-sistema obtenham 218 lugares da totalidade de 751, ou 29%, nas eleições parlamentares europeias esta semana. Isso é 21 porcento acima do Parlamento actual.
Uma estranha reviravolta é hoje que a austeridade trabalha para a Alemanha, onde o Euro está em vigor como moeda desvalorizada. Não há muita actividade de extrema-direita na Alemanha desta vez, porque os alemães estão a prosperar. A Alemanha é capaz de exportar o seu desemprego. Mas quase ninguém mais pode fazê-lo.
A Alemanha, a terra que nos deu a palavra reveladora 'schadenfreude' (alegria no sofrimento de outra pessoa) está a lucrar com a dor do resto da Europa. Apesar de muita experiência com o fascismo, a Alemanha parece deliberadamente cega para o que ocorre quando as pessoas são empurradas para o ponto de ruptura.
Como oligarcas económicos se desinteressam brutalmente sobre os meios de subsistência dos trabalhadores, os cidadãos desesperados desistem do governo democrático como um contrapeso e viram-se para o ultranacionalismo e a extrema-direita. Há uma aliança bizarra entre o descendente à deriva e plutocratas. As elites riem durante todo o caminho até ao banco.
O grande profeta do perigo não foi Karl Marx, mas um filósofo político do século XX chamado Karl Polanyi. Conforme Polanyi escreveu, descrevendo as tendências destrutivas das elites de mercado no século XIX e o deslize para o fascismo após a segunda guerra mundial, "a solução fascista do impasse alcançado pelo capitalismo liberal pode ser descrita como uma reforma da economia de mercado alcançada pelo preço da extirpação de todas as instituições democráticas".
Como observei recentemente em um ensaio na 'American Prospect', este mês é o 70º aniversário da publicação do clássico de Karl Polanyi, A Grande Transformação, que foi publicado em Maio de 1944. Para nós também marca o 50º aniversário da morte de Polanyi, em Maio de 1964.
O ponto de vista de Polanyi é que se queremos a democracia a sobreviver, é preciso cuidado com os suseranos financeiros e seus aliados ideológicos vendendo as utopias de mercado livre.
A União Europeia foi um projecto dos estadistas previdentes que entenderam o aviso de Polanyi e de quem quis evitar uma repetição da segunda guerra mundial. A ideia era para conter a Alemanha dentro de um todo maior e democrático e para criar um equilíbrio socialmente suportável entre economia de mercado e cidadania democrática.
Os fundadores do projecto europeu do pós-guerra aprenderam a partir da história: se as pessoas rejeitam o totalitarismo de direita ou de esquerda, governos não precisam de destruir os meios de subsistência e liberdades em nome de qualquer abstracção, seja o ideal de uma raça-mestra, a ditadura do proletariado, ou o Deus do ‘laissez-faire’. Mas no período que antecedeu a crise de 2008 e em suas consequências, a UE chegou a representar a austeridade para as pessoas comuns e protecções sociais para os bancos.
A tragédia do momento presente é que meio século da liderança está a ser destruído em busca de uma concepção da economia que serve apenas os banqueiros e os detentores de títulos obrigacionistas. Não surpreendentemente, os cidadãos não estão tendo nada disso.
O mordaz dramaturgo alemão Berthold Brecht, ao ouvir que um burocrata relatara que o governo tinha perdido a confiança do povo, sugeriu que talvez o governo devesse dissolver o povo e arranjar outro. Isto, claro, é o que os ditadores fazem, quando trocam os cidadãos por bajuladores. A UE está em grave perigo de desabar em um projecto das elites que perderam a confiança das pessoas.
Aqui em casa, não estamos completamente numa depressão, mas vemos a mesma aliança bizarra entre os muito ricos e os receosos economicamente. Vemos o mesmo o ‘agora nada’ a chicotear para fora o governo e a mesma destruição da democracia.--por bloqueios partidários, dirigidos por plutocratas e tribunais corrompidos. E vemos um governo de centro-esquerda também comprometido e debilitado para liderar.
Como Thomas Piketty escreveu no seu livro célebre, O capitalismo no Século XXI, os meados do século XX foi um período excepcional em mais de 200 anos de história de riqueza cada vez mais concentrada. Uma das coisas excepcionais sobre a época do pós-guerra foi que a democracia robusta não só deu pessoas do mundo do trabalho uma fatia maior do produto económico total do sistema, mas fez trabalhar as pessoas interessadas no projecto democrático.
Hoje, estamos em risco de perder tanto uma atribuição socialmente justa de saída económica como a própria democracia. Nós não devemos ficar surpreendidos quando pessoas desesperadas se viram para o nacionalismo e o pior.
Novo livro de Robert Kuttner é a Prisão dos Devedores: A política de Austeridade Versus Possibilidade. Ele é co-editor da The 'American Prospect' e pesquisador sénior Demos e lecciona na escola de Heller da Universidade Brandeis.