quarta-feira, 21 de maio de 2014

O que estes – e outros fazem – para obter os ‘tachos do PE’

Já os vi, via TV, a navegar em moliceiros e outro batel, denominado ‘Verónica’. Quem é a Verónica? Nuno Melo, Paulo Rangel? Que relação tem um passeio em moliceiro e outro na ‘Verónica’ com as ‘eleições europeias’, de uma Europa progressivamente a afundar-se e de um euro indissolúvel? Provavelmente que o ambiente é muito fluído, volátil e que a água, fonte da vida, é também factor da morte. Mesmo colectiva.
Também os topei ao lado do sabichão Marcelo, reclamando os votos na coligação para eleger Juncker. Rangel e Melo que se lixem! Passos Coelho não reagirá à aleivosia, aos fundamentos da filosofia política do populismo, nem renunciará à profunda reflexão do princípio sintetizada pela frase  as eleições que se lixem”. Desde que a ‘saída limpa’ seja nublosamente coberta de sujidade, isso é vital para o País.
A anedota Rangel e o rufia Nuno Melo certificaram, sem hesitações, o discurso de Marcelo e os pensamentos de Freitas do Amaral; por exemplo:
No fundo, confessado entre fanáticos, ignaros e amigos, admitem temer uma derrota histórica, por vitória do PS. A merda é a mesma, mas não há lugares para tantas moscas. Os “tachos no PE” exigem são limitados.