segunda-feira, 21 de julho de 2014

Tecnoforma – empresa ou rede de esgotos?

Os cidadãos, mesmo os menos atentos, lembram-se da Tecnoforma, gerida por Passos Coelho e favorecida por diligências e pressões de Miguel Relvas. Em especial, da negociata da formação de trabalhadores municipais para funções em aeródromos locais – projecto avaliado em 1,2 milhões de euros. Tinha de, no final, ser forçosa a adjudicação à empresa de Coelho.
Relvas era, na ocasião, Secretário de Estado da Administração Local do governo de Barroso. Com a falta de pudor que lhe é reconhecida, propôs a Helena Roseta, então bastonária da Ordem dos Arquitectos, o assentimento para o patrocínio da formação referida, sob a condição de serem adjudicados em exclusivo à Tecnoforma as acções de tal formação.
Roseta denunciou o golpe na SIC Notícias. Relvas reagiu, ameaçando lançar um processo judicial contra a arquitecta por difamação. Até hoje, que se saiba, não concretizou a ameaça. É mais do que claro que Miguel Relvas estava despojado de razão e não há, por isso, notícias de que tenha acusado Roseta em tribunal.
Todos estes episódios burlescos, próprios de Relvas e do amigo hoje PM, provam à exaustão que Coelho não é propriamente um político impoluto. Ao invés, é perverso no favorecimento de amigos em negócios do Estado, no castigo severo dos cidadãos com impostos e os funcionários públicos, reformados e pensionistas através corte de subsídios de férias e de Natal e outras medidas ‘draconianas’ que conduziram a milhares de insolvências e correspondente multiplicação do desemprego para índices incalculáveis, tendo negado fazê-lo na campanha para as eleições de 2011.
Consistente com a mentira que cultiva compulsivamente, ou mesmo patologicamente, Passos Coelho acaba de adjudicar um contrato de 2,5 milhões de euros à Tecnoforma, ao que se deduz comandada na actualidade pelo amigo Fernando de Sousa.
Tudo isto é, no mínimo, opaco e abjecto. Salvo para o esclerosado Cavaco que, na longínqua Ásia, antes de receber do governo os diplomas de cortes salariais e da contribuição de sustentabilidade (esta eventualmente substituirá a CES aplicada a reformados e pensionistas), já garantiu publicamente a Coelho e seus pares o envio, a contento dos governantes, de tal legislação para o Tribunal Constitucional, para efeitos de fiscalização preventiva.
Os portugueses vivem sob permanente ameaça de uma espécie de “triângulo das Bermudas”: um governo sem seriedade, um presidente conivente com o governo e uma oposição incapaz de convencer o País da capacidade de o colocar em rumo de políticas social e economicamente justas, proclamando o desenvolvimento e a renúncia do Tratado Orçamental em que o Tozé também nos encalacrou.
Esperemos o que o futuro nos reserva, com dor e o resto de paciência que se está esvaindo. Através de ‘Teconoformas’ e outros esgotos onde apenas circulam detritos.