terça-feira, 30 de junho de 2015

Grécia: Joseph Stiglitz votaria “não” no referendo – tradução de The Guardian de 29-06-2015

Joseph Stiglitz: como eu voto no referendo Grego

O crescendo aumento de brigas e acrimónia dentro Europa pode parecer para fora vir a ser o resultado inevitável da etapa de final amargo, de jogar para fora entre a Grécia e os seus credores. Na verdade, os líderes europeus estão finalmente a começar a revelar a verdadeira natureza do litígio da dívida em curso, e a resposta não é agradável: trata-se de poder e democracia, muito mais do que dinheiro e economia.
Claro, a economia, por trás do programa que a ‘troika’ (Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) impingiram na Grécia há cinco anos tem sido abismal, resultando em um declínio de 25% do PIB do país. Posso pensar em nenhuma depressão, alguma vez, que tem sido tão deliberada e tinha essas consequências catastróficas: taxa da Grécia de desemprego juvenil, por exemplo, agora ultrapassa 60%.
É surpreendente que a ‘troika’ tenha recusado aceitar a responsabilidade por isso ou admitir o quanto as suas previsões e modelos têm sido. Mas o que é ainda mais surpreendente é que os líderes europeus não aprenderam ainda. A ‘troika’ ainda exige que Grécia alcance um superavit primário no orçamento (excluindo juros) de 3,5% do PIB até 2018.
Economistas em todo o mundo condenaram esse destino como punitivo, porque apontando para isso resultará inevitavelmente numa profunda recessão. Com efeito, mesmo que a dívida da Grécia seja reestruturada para além do que se possa imaginar, o país irá continuar em depressão se os eleitores se comprometem com o alvo da ‘trpoka’ na pressão do referendo a ser realizado neste fim-de-semana.
Em termos de transformar um grande défice primário em um excedente, poucos países têm realizado algo como o que os gregos têm alcançado nos últimos cinco anos. E, embora o custo em termos de sofrimento humano tenha sido extremamente alto, as recentes propostas do governo Grego foram um longo caminho para satisfazer as necessidades dos seus credores.

Deve ficar claro: quase nenhuma da enorme quantidade de dinheiro emprestado à Grécia na verdade tem ido para lá. Foi para pagar os credores do sector privado – incluindo bancos alemães e franceses. A Grécia tem conseguido mas uma ninharia, mas pagou um alto preço para preservar sistemas bancários destes países. O FMI e outros credores "oficiais" não precisam do dinheiro que está sendo exigido. Sob um cenário de 'business-as-usual', o dinheiro recebido seria provavelmente só para ser emprestado novamente à Grécia.
Mas, novamente, não é sobre o dinheiro. É sobre o uso de "prazos" para forçar a Grécia à articulação e a aceitar o inaceitável – medidas de austeridade não só, mas outras políticas regressivas e punitivas.
Mas por que Europa faria isso? Por que motivo estão os líderes da União Europeia a resistir ao referendo e recusando-se mesmo a prorrogar por alguns dias o prazo de 30 de Junho para pagamento na próxima 'tranche' da Grécia para o FMI? Não é Europa toda em nome da democracia?
Em Janeiro, os cidadãos da Grécia votaram por um governo comprometido a acabar com a austeridade. Se o governo simplesmente estava cumprindo as suas promessas de campanha, isso já equivalia a ter rejeitado a proposta. Mas ele queria dar aos Gregos a chance de opinar sobre esta questão, tão crítico para o bem-estar futuro do seu país.
Essa preocupação com a legitimidade popular é incompatível com a política da zona euro, a qual nunca foi um projecto muito democrático. A maioria dos governos dos seus membros não buscou aprovação do seu povo para entregar a sua soberania monetária ao BCE. Quando a Suécia o fez, suecos disseram que não. Eles compreenderam que o desemprego subiria se a política monetária do país passasse a ser definida por um banco central focado única e exclusivamente sobre a inflação (e também que haverá falta de sentido de estabilidade financeira). A economia sofreria, porque o modelo económico subjacente a zona euro foi baseado em relações de poder com os trabalhadores em desvantagem.
E, claro, o que estamos vendo agora, 16 anos depois da zona euro institucionalizar essas relações, é a antítese da democracia: muitos líderes europeus querem ver o fim do governo esquerdista do primeiro-ministro Alexis Tsipras. Afinal, é extremamente inconveniente ter, na Grécia, um governo que se opõe, então, aos tipos de políticas que fez muito para aumentar a desigualdade em muitos países avançados, e que está tão empenhado em reduzir o poder desenfreado da riqueza. Eles parecem acreditar que podem eventualmente derrubar o governo grego pelo 'bullying' ao aceitar um acordo que viola o seu mandato.
É difícil aconselhar os gregos como votar em 5 de Julho. Nenhuma alternativa – aprovação ou rejeição dos termos da 'troika' – vai ser fácil, e ambos apresentam riscos enormes. Um voto sim significaria depressão quase sem fim. Talvez um país empobrecido – um que já vendeu todos os seus activos, e cujas jovens brilhantes emigraram – pode finalmente conseguir perdão de dívidas; Talvez, tendo engelhados em uma economia de renda média, a Grécia pode finalmente ser capaz de obter o apoio do Banco Mundial. Tudo isso pode acontecer na próxima década, ou talvez na década depois disso.
Por outro lado, um voto não abriria pelo menos a possibilidade de que a Grécia, com sua forte tradição democrática, poder compreender o seu destino em suas próprias mãos. Os gregos podem ganhar a oportunidade de moldar um futuro que, embora talvez não tão próspero quanto o passado, é muito mais esperançoso do que a tortura desmedida do presente.
Eu sei como votaria.

Joseph E. Stiglitz, Nobel laureado em economia, é Professor Universitário na Universidade de Columbia, NY.