domingo, 28 de junho de 2015

Os riscos da Zona Euro, do Syriza a Marine Le Pen

A inconsistência das “instituições”, em relação à Grécia, é digna de reflexão. Há a incógnita que se levanta à CE, Eurogrupo, BCE e ao FMI sobre os efeitos, e contágios, que podem impender sobre a Zona Euro do colapso financeiro, bancarrota, da Grécia. De resto, é na acepção de inquietantes dúvidas e tortuosas estratégias, que, a meu ver, hoje, Domingo, o BCE, em reunião por teleconferência participada pelos governadores dos bancos centrais – lá aparece o “nosso” Costa do BdP nas telas dos monitores – deliberou manter o apoio à liquidez da banca grega, ao abrigo do programa de emergência, ELA - Emergency Liquidity Assistance, na designação anglo-saxónica.
Podem existir dúvidas nos dignatários das “instituições” envolvidas. Todavia, para os autoritários conservadores e socialistas dos areópagos de Bruxelas, referidos por Pacheco Pereira no brilhante artigo, ´A Europa que nos envergonha’, o objectivo estratégico é demasiado evidente: afastar o Syriza do poder – confesso que comecei por não ser entusiasta deste partido, mas do mesmo me transformei em admirador pela coragem face aos altos poderes da Europa do Norte e seus serventuários – Schäuble e os idiotas úteis do tipo de Dijsselbloem e Maria Luís Albuquerque, por exemplo.
O desafio do referendo de Alexis Tsipras, a acreditar nos resultados de sondagens que a imprensa divulga, pode transformar-se em golpe de “hara-kiri” para o Syriza. E é este o trunfo com que as lideranças europeias, neoliberais e despóticas, complementadas pela indecorosa Lagarde, contam para fazer regressar ao poder a Nova Democracia e o Pasok, dois partidos autores do crime da dívida, em conluio com Merkel e Sarkozy – os gastos em equipamento militar germânico e francês, os dinheiros extorquidos pela Siemens e outras sociedades internacionais, se devidamente somados, inundaram a Grécia de uma dívida externa, pública e privada, astronómica. Os pensionistas e assalariados que paguem a crise, defendem agora o FMI e o Eurogrupo de Schäuble, sob a cumplicidade de Juncker e um batalhão de governantes europeus, no qual participa Passos.
A semana que agora se inicia vai ser recheada de acontecimentos. Prognosticar é difícil, excepto prever golpes baixos que atingirão o povo grego.
Contudo, ao contrário da teoria oca do ‘Fim da História’, de Fukuyama, as sociedades actuais vivem transformações permanentes, às vezes súbitas e outras radicais. Talvez, em tempos de próximo futuro (2017), se a ascensão de Marine Le Pen se concretizar em conformidade com as sondagens, a Zona Euro e eventualmente a União Europeia corram o risco de extinção.
Tenha-se em atenção o que a candidata da extrema-direita francesa disse à Bloomberg, em notícia que foi titulada ‘Marine Le Pen: Chamem-me apenas Madame Frexit’. Do teor dessa entrevista, traduzo as seguintes passagens:
Confesso não ficar paralisado de euforia se Marine Le Pen vier a ser eleita PR Francesa. Todavia, em política, têm de aceitar-se as escolhas dos povos. Se a direita neoliberal, destruidora do Estado Social Europeu, é invencível pela esquerda europeia, desconexa e insípida, talvez venha a ser profundamente derrotada pela direita. 
Comparo à imagem do fruto, em tempos lustroso, que acabará por cair da árvore, bichado e apodrecido no interior.