segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Tolerance - artigo de Laurent Joffrin no 'Libération' (tradução)

O artigo traduzido revela-se uma reflexão objectiva sobre os movimentos geracionais, caracterizando a comunhão de experiências e interesses das vidas das gerações de hoje - em França e na Europa em geral. Os obstáculos de iniciar e desenvolver uma carreira profissional pelos jovens de hoje; a infalível mistura social de zonas urbanas e suburbanas; o ódio instilado na juventude mais precária, fanatizada por repugnantes e aterradoras instituições religiosas fundamentalistas, das quais o EI é a expressão máxima. 
O autor toma em consideração o perfil comum das vítimas para sublinhar que os terroristas dizimaram a violência justamente sobre o segmento jovem mais tolerante da sociedade  francesa actual. 
Do ponto de vista sociológico, psicossociológico e de políticas sociais e de segurança é uma reflexão a merecer atenção, como estudo das comunidades de crescentes complexidades, integrantes do mundo actual. Globalizado mas de expandida desumanização.
   
Resultado de imagem para logo do liberation
Laurent Joffrin - 15-11-2015


ÉDITO O que é uma geração? Um evento. Havia a geração da guerra da Argélia, aquela de Maio 68, ou mesmo a do caso Dreyfus. Agora há a geração Bataclan. Os assassinos afirmaram, eles mesmos, na reivindicação: é em plena consciência que têm como alvo este grupo, depois de uma escolha de lugares deliberada, "minuciosa", segundo o seu próprio termo. Contra a França e a Alemanha, eles pretendiam fazer um massacre no Stade de France, mas também contra o desporto, que têm por uma ocupação profana - o GIA argelino, no seu tempo, designava o futebol à condenação dos activistas fundamentalistas.
Contra um estilo de vida aos seus olhos pervertido, enfim, eles mataram mais de cem pessoas no perímetro do estreito que é adjacente ao canal Saint-Martin, bairro jovem, um pouco misturado entre boémios e filhos de imigrantes, intelectualmente precários e executivos votantes da esquerda na maioria. Claro, o grupo etário que estamos falando é muito mais amplo, mais diversificado em toda a sociedade francesa. Observe também que os assassinos são, neste caso, da mesma idade das suas vítimas. Mas há referências em comum desta geração, gostos partilhados e valores convergentes para que se reunissem sob este vocábulo, legitimo senão mesmo científico. Uma certa abertura cultural, um liberalismo de costumes, um cosmopolitismo que não exclui uma forma de patriotismo amigável, como evidenciado pela proliferação das três cores francesas nas páginas de Facebook... Sem que esta tolerância forme um mundo de ursinhos: os mesmos jovens, muitas vezes entram dificilmente na vida profissional, conhecem a precariedade e celebram a sua primeira remuneração como os outros da legião de honra. A sua vizinhança, mesmo que continue a ser mista, é mais uma justaposição das minorias como uma mistura feliz. Mas é uma cultura, um modo de vida, decadente, de acordo com os islamitas, que é gratuito, que os assassinos queriam aterrorizar. Paradoxo destes assassinatos: como Charlie Hebdo, queriam alcançar os Franceses tolerantes. É a tolerância que se visa tanto como a França. Nestas condições, o  erro supremo seria tornar-se intolerante a si próprio. Então ninguém entenderia que uma agressão, idealizada pelo Daech, permanecesse impune, mesmo na tradicional retórica bélica, enquanto esta guerra para além das definições convencionais, é deslocada da realidade do conflito. O discurso de fechamento, cada vez mais barulhento, não fará justiça às vítimas que viviam diariamente os valores da abertura.