sexta-feira, 13 de julho de 2012

Coelho e os conspiradores Almunia, Moura Ramos e Bagão

Coelho ameaçado
O comissário Europeu, Almunia, recomendou:
Almunia fez esta recomendação, através da comunicação social, à margem da conferência proferida na Universidade Católica, em Lisboa; local que, aliás, parece estar a transformar-se em fatídico para o governo. Já Michael Porter, no mesmo anfiteatro, deixara há dias Paulo Macedo em estado de pré-apoplexia, ao afirmar que cortar nos valores pagos a profissionais de saúde era um erro grosseiro.
O presidente do Tribunal Constitucional, aos microfones da Antena 1, entre outras considerações, transmitiu a ideia de que o governo, em particular o PM, não soube interpretar o texto do acórdão daquele tribunal. Criticou a imaturidade do PM, ao admitir a extensão da medida aos trabalhadores do privado, sem ter reflectido no conteúdo do acórdão; isto, minutos antes de entrar para uma sala de espectáculo.
Para fechar o funesto ciclo de declarações antigovernamentais, Bagão Félix disse:
Coelho, na sua coelheira de Massamá e sem Relvas por perto, mas ao telemóvel, concluiu que Almunia, Moura Ramos e Bagão Félix aderiram ao BE. São conspiradores e críticos levianos do desempenho governativo. Vem aí a 5.ª avaliação da ‘troika’ e isso é que vale – o FMI, em Washington, já admite que Portugal não cumprirá a meta do défice, mas até na instituição de Lagarde há infiltrações de bloquistas. “Uma corja de conspiradores”, desabafa – feras que atacam um pobre e pacato coelho, acrescento eu.