terça-feira, 15 de abril de 2014

Previsão do desemprego (e da emigração?) para 2015

A ministra Albuquerque, com o ar natural de amanuense promovida a figura pública, ao lado do ‘controleiro’ Marques Guedes anunciou que, em vez dos 15% anteriormente previstos, a taxa de desemprego para 2015 se fixará em 14.8% - há 3 meses, pelo menos, que encalhou nos 15,3%, o que prova o elevado sucesso socioeconómico do governo… sem se falar de insolvências.
Se traduzirmos a previsão para dramas de vida, sentidos pelas centenas de milhares dos mais jovens que jamais encontram emprego e também daqueles que, a partir dos 35/40 anos, se encontram na situação de desempregados de longa duração, e se considerarmos a realidade da partida diária de cerca de 200 cidadãos a emigrar, facilmente se infere que a Albuquerque está, sobretudo, é a prever um nível de emigração, daqui até ao final de 2015, que venha a produzir um impacto de - 0,2%  no desemprego.
Todavia, uma vez que por norma o governo falha nas previsões, tanto um valor, 14,8% de desemprego, como outro, 0,2% de emigração, têm enorme probabilidade de falhar.
Que demagogia! Até a Albuquerque, que é minhota, entra no vira do ‘eleitoralismo’. Se nas ‘europeias’ é isto, facilmente se imagina como serão as legislativas de 2015. Vamos ter petróleo no Beato, ouro, muito ouro, no Alentejo, e sessões de inauguração não faltarão no País. Parece-me antever Portas a inaugurar um urinol nos Aliados, no Porto, e Coelho a descerrar uma lápide noutro nos Restauradores, em Lisboa… necessidades do chamado estado de erecção de mijo.