segunda-feira, 7 de abril de 2014

Turismo financeiro

A Ministra das Finanças, em acesa disputa com o ‘Paulinho dos Emiratos’, empenha-se a fundo no campeonato dos governantes que mais viajam – em compensação, diga-se, o MNE, o viajante supostamente mais assíduo pela natureza do cargo, fica-se pelas ‘Necessidades’… necessidades impostas por funcionamento intestinal ou das vias urinárias; incontinências que o convertem em turista contido, pronto!
Miss Albuquerque vai a Londres avistar-se com investidores, na sequência de diligências de Moreira Rato do IGCP. O objectivo é lançar novos empréstimos. Quer dizer, ordenou ao funcionário Rato que desbravasse caminho para o País continuar a avançar na dívida e sairmos demagogicamente limpos do ‘programa da troika’.
Agora na ‘city londrina’ surgirá ela, amanuense transformada em ministra de ocasião, de ar resplandecente para apor assinatura e chancela nos contratos com os leiloeiros – o presidente do IGCP já havia anunciado que a nova dívida seria objecto de leilão ou leilões.
Conclusão: afinal a estratégia deste governo não era solucionar a situação de bancarrota do anterior. Esticam e não estancam a dívida.
Segundo imagino, atendendo a que os juros estão em baixa, pensam que o melhor é continuarmos a endividar-nos – em Setembro próximo com a SEC10 que Bruxelas impõe vai haver um salto tão elevado, que é de temer a queda.
No entanto, voltando às viagens, diga-se que ir a Londres é curto. O turismo financeiro é muito exigente. E Miss Albuquerque de seguida vai até Washington para a reunião da Primavera do FMI e do Banco Mundial. São as jornadas floridas do capitalismo mundial. Será um cheirete a fertilizante orgânico difícil de suportar – é muita matéria orgânica junta.
Provavelmente Albuquerque encontrará Gaspar e – quem sabe?! – daqui a uns tempos o 1.º elemento da ‘troika’, jamais o 4.º, meterá uma cunha à Lagarde e lá vai a sua sucessora integrar os quadros do FMI. No pior pano, cai a nódoa.