segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

TAP: A sinergia dos mensalões

Sinergy, em português, traduz-se por Sinergia. Segundo o ‘Ciberdúvidas’, em termos de significância, quer dizer:
“[…] sinergia tem o sentido genérico de «cooperação», «acção associada»…”
Quer isto dizer que, sob a cooperação e acção associada do famigerado ministro Relvas e do condenado José Dirceu, no processo do mensalão, haverá cumplicidade, a meu ver com indícios de atentado ao interesse nacional, na alienação do valioso activo estratégico nacional, designado TAP? 
Se atendermos – e não há razões para duvidar – à notícia do ‘Público’, fica-se ciente, sem dúvidas, que estamos perante uma acção contra o património estratégico nacional, em que Relvas, ao contrário da imaculada imagem propagandeada, revela indícios de interessado promotor do negócio.
A referência do ‘Público’ diz respeito ao texto do bloguer de ‘O Globo’, Ancelmo.com, a seguir reproduzido:
o globo 
O texto, daqui retirado, tem o seguinte conteúdo:
O amigo português
Quem está ajudando o empresário brasileiro-colombiano Germán Efromovich a comprar a TAP é o ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares de Portugal, Miguel Relvas.
O ministro tem amigos influentes no Brasil — inclusive, Zé Dirceu. “
Com os casos ‘Tecnoforma’, ‘Foral’, TAP e RTP, poucas dúvidas me restam que, de Sócrates a Passos Coelho, de Jorge (também) Coelho a Miguel Relvas, a distância é milimétrica, variando, apenas, nos alvos em jogo.
O que, a muitos milhares dos cidadãos, causa enorme perplexidade é constatar que, independente do poder governamental necessariamente partidarizado, não haja uma voz ou acção de magistraturas soberanas contra manifestações de indícios de acções lesivas do interesse nacional. Nem Presidente da República, nem Ministério Público ou outra instância competente tem a ousadia de usar de poderes que a lei lhes confere, para julgar e provavelmente jugular os interesses dos protagonistas nacionais, autores destes atentados contra os supremos interesses do País.
Amanhã, os trabalhadores da TAP vão manifestar-se contra a nacionalização da companhia. Na “Rua”, o que causa ataques de psoríase e afrontamentos a D. Policarpo. Poderá ser infrutífero, mas será patriótico e consequentemente louvável. Estou ao lado deles.