sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Gaspar e a atracção pela receita


A comunicação social ontem, como referi neste 'post', revelou que esta manhã o Ministro das Finanças, Vítor Gaspar, iria anunciar ao País "cortes brutais na despesa do Estado"; exactamente assim: CORTES BRUTAIS NA DESPESA PÚBLICA.
Eis que, ao fim da manhã, o Gaspar, com aquele ar de quem anda a preparar-se para locutor de rádio pirata e nunca mais afina, o Gaspar, dizia, veio, afinal, anunciar um brutal aumento na despesa privada, isto é, das famílias e das empresas. A partir do último trimestre deste ano, afirmou o Ministro, o IVA da electricidade e do gás natural passará a custar aos portugueses mais 16%. Sobe de 7 para 23%.
Do lado da despesa nada que se veja, continuamos com dantes, quartel-general em Abrantes. Mas mesmo, assim, o nefasto governo do País ainda tem naturalmente a sua massa adepta. Uns informados, outros ocos e convencidos e, finalmente, outros que adoram manipular a opinião pública, tomando-nos por pacóvios. É o caso do autor deste insultuoso 'post'. Acusa 'meio mundo' de ignorantes surpreendidos pelo aumento do IVA na electricidade, invocando e publicando as condições do Memorando da Troika de 17 de Maio passado. O manipulador esquece-se, porém, que se trata de um documento público, a que todos os que quiserem têm acesso. Na página 2 há o subtítulo Política Orçamental em 2012 e, prosseguindo a leitura, está lá bem clarinho que o referido aumento do IVA estava previsto para o próximo ano e não para 2011. Como, de resto, o Ministro referiu.
Com esta concentração de medidas sobre a receita, somos nós, contribuintes, a continuar a suportar desmandos na despesa pública; por exemplo, os praticados na Madeira pelo governo de Jardim ou os prejuízos do famigerado BPN, que Sócrates nacionalizou, safando o banco dominado por um bando de cavaquistas que a Justiça Portuguesa teima em não julgar.