segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Ana Drago rejeitou o convite da Universidade de Verão do PSD

O elenco de sábios professores e mestres da Universidade de Verão do PSD, hoje aberta pela Berta, é composto, de facto, de notabilíssima gente. Algumas das ilustres figuras, agora professores,  no domínio do ‘centrão’ ou fora dele, com Sócrates e outros caminhantes, acederam a lugares de grande conforto, sob a protecção de elevadas remunerações e regalias. As fábricas de carreiristas, do PSD e do PS a reabrir em Évora um dia destes, não podem paralisar a produção deste tipo de artistas.
Nos círculos próximos do presidente da JSD, o trôpego e impreparado Duarte Marques, lamenta-se a recusa de Ana Drago em participar no corpo docente da Universidade de Verão do PSD. Vendo, de novo, as imagens do vídeo publicado, talvez se perceba por que razão. A lição já ficou dada há muito, considerou Drago.
Moita de Deus, como monárquico de sólida formação política, vai contar a história, ocorrida no Século XVII em Inglaterra, da execução de Carlos I, por, entre outras decisões, ter lançado impostos arbitrários. “O melhor é pôr o poder laranja de sobreaviso”, pensou Moita de Deus.