sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Perguntas de fim-de-semana

Para enganar a tristeza, como o pobre engana a fome com um pedaço de casqueiro bolorento, passo a reproduzir um conjunto de perguntas recebidas de uma amiga culta, educada e sempre bem humorada:
* Como se escreve zero em algarismos romanos??? * Por que os Flintstones comemoravam o Natal se eles viviam numa época antes de Cristo???* Por que os filmes de batalha espaciais tem explosões tão barulhentas, se o som não se propaga no vácuo???* Se depois do banho estamos limpos porque lavamos a toalha??? * Por que a palavra 'Grande' é menor do que a palavra 'Pequeno'??? * Por que 'Separado' se escreve tudo junto e 'Tudo junto' se escreve separado??? * Por que as luas dos outros planetas tem nome, mas a nossa é chamada só de lua??? * Por que quando a gente liga p/ um número errado nunca dá ocupado??? * Por que as pessoas apertam o controle remoto com mais força, quando a pilha está fraca??? * O instituto que emite os certificados de qualidade ISO 9002, tem qualidade certificada por quem??? * Quando inventaram o relógio, como sabiam que horas eram, para poder acertá-lo??? *Como foi que a placa 'É Proibido Pisar a relva' foi colocada lá??? * Por que quando alguém nos pede que ajudemos a procurar um objeto perdido, temos a mania de perguntar: 'Onde foi que você perdeu??? * Por que tem gente que acorda os outros para perguntar se estavam dormindo???  * Se o Pato Donald não usa calças, por que ele amarra uma toalha na cintura quando sai do banho???
 
Quem responder apenas a três das questões com consistência e rigor científico, segundo critérios de meritíssimo júri de eminentes figuras da ‘Academia’ (o corpo docente da Lusófona foi excluído à partida) será premiado com a participação no almoço com a chancelarina Angela Merkel.
O local será seleccionado pelo governo, de um conjunto de alternativas que começa na Tasca do Jaime, na Graça, e termina no Forte de S. Julião da Barra,em Oeiras.
Arrisquem e habilitem-se. O menu principal será ‘Chucrute’ (Sauerkraut, em alemão). Para quem não sabe é um prato à base de repolho fermentado, “um prato perfumado com os aromas da terra, do trigo e da merda”, conforme definição da Carla Romualdo.