quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Residências ou locais do nosso infortúnio?










Palácio de Belém e Residência do 1.º Ministro em S. Bento
Diz a PSP que as residências oficiais de Cavaco e Passos são os pontos críticos na visita de Merkel. Coincidências! Crítico, no sentido de referência a processos, actos ou episódios relacionados com a crise, é sem dúvida o adjectivo que há muito se aplica aos referidos locais; ou seja, espaços físicos de onde se redigem, aprovam e promulgam leis e outras medidas lesivas da vida de milhões de portugueses.

Portanto, às iniciativas legislativas expedidas por Passos, de S. Bento, e promulgadas por Cavaco, em Belém, Merkel não acrescenta nada de novo ao deslocar-se às residências do nosso infortúnio. Deslocação de que, de resto, a tenebrosa figura nem precisava. Lá bem longe, de Berlim, o espírito do autoritarismo e xenofobia alemão tem potência suficiente para mandar castigar os povos do Sul da Europa – mais cinco anos de austeridade a fio, disse há dias. Passos, subserviente, disse: “Yes my lady!”.
Talvez sem se aperceber do lapso, a PSP definiu inadvertidamente os epicentros dos decisores internos da crise. Estou certo de que pretenderia referir-se às eventuais manifestações contra a presença de Merkel que ocorrerão na periferia e não dentro das citadas residências.
Ó Sra. Comissária Carla, cuidado com os erros de semântica que, no caso, poderão causar uma acção da polícia de choque de violenta bastonada aos cavalos da GNR dentro do Palácio de Belém e, evidentemente, também em quem os monta.
Nesta última hipótese, em vez de ‘secos e molhados’, corre-se o risco de assistir a cenas de ‘abastonados e descavalgados’.