sábado, 16 de julho de 2011

Acima a Maria da Fé, abaixo o Bairrão!

Somos um País de História e estórias. Agora é a época das estórias do Bairrão que, de súbito, se transformou das figuras mais mediáticas da imprensa portuguesa. Do 'Expresso' ao 'Público', jornais 'chamados de referência' dedicam sem parcimónia peças sem fim a Bairrão. Ainda não percebi as qualidades excepcionais do homenzinho ex-TVI que, pelos vistos, são bastante importantes para a vida dos portugueses - comparado com ele, o 'imposto extraordinário' e outras ofensivas aos nossos depenados bolsos são trocos.
Estou de fim-de-semana e, como ídolo, selecionei com gosto e sarcasmo Maria da Fé:

Ou não fosse uma mulher do Porto, que aos 18 anos veio para Lisboa, a capital mundial do fado - com uma sucursal intelectual em Coimbra. É um gozo especial, dirigido aos meus amigos do 'Poorto! Para agravar a vossa sofrida rivalidade, veio para a capital e canta o fado no tom lisboeta, alfacinha puro, que vos irrita. Como me enerva a mim, os políticos que envieis para o Parlamento e Governo, para cantar as loas que sabemos.
Portanto, cá vai um grito: 'Acima a Maria da Fé, abaixo o Bairrão!' - Oh 'Pintinho' acalma-te, muda a fé do Villas-Boas, grande 'portista!', para o Vítor Pereira, outro 'portista' de berço. Com fé, muita fé, e algo mais, vais ver que consegues.