sexta-feira, 15 de julho de 2011

Os EUA não são a Grécia nem Portugal

Obama diz que os EUA não são a Grécia nem Portugal. Parto do princípio que o 'Público' teve acesso a fonte fidedigna. Todavia, o jornal "i" informa coisa diferente sobre as declarações de Obama: "Os EUA não estão nem na situação da Grécia nem de Portugal" - a alteração do 'sujeito' faz toda a diferença, visto que EUA e situação são entidades diferentes.
O presidente norte-americano anda em luta com os republicanos para fixar (debt ceiling) o débito público do País. Os seus adversários políticos, em troca, pretendem que esse débito aumente, se as taxas de imposto sobre os rendimentos dos mais ricos forem reduzidas. Isto é mais do que contraproducente.
As exigências dos republicanos, seguindo as opiniões incontestáveis do Prémio Nobel, Joseph Stiglitz, vai ao encontro do princípio de 'Of the 1%, by the 1%, for the 1%'.
No fundo, lá como cá, os neoliberais, com que o actual governo se identifica na perfeição, constituem os adversários que trabalhadores, pensionistas, desempregados e demais desprotegidos da sociedade devem combater. Para derrotar o Coelho, o Gaspar e outros do género, não enquanto pessoas, mas, contra o tipo de políticos que infectam as nossas vidas, é preciso lutar. É esta também a minha luta.