segunda-feira, 4 de julho de 2011

Nobre(s) fora, zero!


Tanta polémica porquê? Trata-se da histórica e simples operação aritmética da prova dos nove, neste caso do(s) Nobre(s). Com ele, eram 230 deputados. Sem ele, porque substituído, o número de parlamentares continua idêntico e, aplicando a citada prova, continuaremos a obter o resultado de 5 = 2+3+0. Nobre(s) fora zero e permanece tudo igual - como dantes quartel em Abrantes.
Também se cumpriu o propósito de renúncia ao mandato anunciado ao 'Expresso', desde o Sri Lanka. Afinal o que disse ao semanário foi o que realmente pensava e não houve problemas de comunicação, poeiras, efeitos da monção ou de outros fenómenos. Fernando Nobre, sempre putativo e contraditório, neste caso foi claro. Enxovalharam-no, não o elegeram para o cargo de 2.ª figura do Estado e levou a dele por diante. Demitiu-se. Que lhe sirva de exemplo, Sr. Primeiro-Ministro!  
No final das contas, pensou ele, o melhor mesmo é fazer a vida na AMI, a tal fundação que proporciona o que este organograma e este relatório (pg. 77 e seguintes) possam significar.