terça-feira, 19 de julho de 2011

A laranja intrujona

Há meses, o presidente da Câmara Municipal de Faro, Macário Correia, era um empenhado activista contra as portagens na Via do Infante. Era mesmo o porta-voz da Plataforma da Luta Contra as Portagens na Via do Infante.
Entretanto, agora Macário, defende que é inevitável a introdução das portagens na Via do Infante. O que fez Macário mudar de opinião sobre tão polémica matéria?  A resposta é simples: o PSD venceu as eleições e, no governo, decide cobrar as referidas portagens. Há que obedecer à máquina. 
Na campanha eleitoral, o PSD pela voz dos seus dirigentes máximos, com o eco do senil Catroga, criticou duramente aquilo que designa por "gorduras" do Estado. Agora, no poder, o partido 'laranja' vai criar duas estruturas adicionais que incorporam 103 elementos, para escrutinar as contas públicas e a execução do programa da 'troika'. Isto, quando existe uma Comissão específica na AR, presidida pelo socialista Vieira da Silva, e entidades institucionais como o Tribunal de Contas, Banco de Portugal e INE. Sem esquecer que, ao nível das finanças públicas e SEE, a Inspecção-Geral de Finanças é já uma estrutura com alargadas funções de supervisão.
Os dois casos, Macário e 103 novos empregos, para 'boys' eventualmente, constituem exemplos da intrujice e da falsidade das promessas do PSD e de Passos Coelho em particular. Que não se cansa de usar o jargão da 'dívida colossal' para diariamente anunciar o corte de maiores fatias do rendimento, ao abrigo do imposto extraordinário. Não se coibindo de considerar beneficiário de rendimentos altos quem ganhe 1.300 euros, mesmo que respeite a um indivíduo casado, com a mulher desempregada e dois filhos ainda aquém da adolescência.
O CDS, como parceiro da coligação, também não está isento do embuste. Mas, a responsabilidade principal é da laranja mecânica. Mecânica? Intrujona, sim laranja intrujona!