sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

O eleitoralismo e o internacionalismo neoliberal da Ibéria

A campanha pré-eleitoral para as 'europeias' está em marcha. Todos os partidos já se manifestam no sentido de captar votos. Creio que, à excepção do efémero PSD de há uns tempos e da famigerada frase de Passos Coelho – que se lixem as eleições! –, os partidos, PSD incluído, assumem estar na corrida; embora apenas um, o PCP, tenha nomeado o cabeça-de-lista, João Ferreira.
As afirmações de Passos Coelho valem o que valem, em termos de honestidade. Em grande parte dos casos, deste o início do consulado, reduzem-se a meros discursos de falta de verdade e rigor. Há material abundante e mediatizado que o comprova.
- Que se lixem as eleições é treta – digo eu. A 27 de Maio, em Portugal, Espanha e outros países da UE28 o povo vai às urnas; naturalmente, os partidos governamentais dos países ibéricos revelam-se temerosos de eventual castigo eleitoral nas ‘eleições europeias’.
Sem respeitar os princípios já tão molestados da soberania nacional, e numa espécie de plágio do ‘internacionalismo proletário soviético’, os três partidos governamentais (os portugueses PSD+CDS e o espanhol PP) decidiram realizar jornadas parlamentares conjuntas no mês de Abril, em Portugal. Olha se fosse o PC a fazer o mesmo, aqui há uns anos, com os partidos congéneres, incluindo os agora indefectíveis amigos do Catroga e do Mexia do PC chinês?
O mote para a campanha está criado e é comum. Foi Afonso Alonso que, insosso, o proclamou: ‘o despesismo socialista’!
Seguro, se tivesse envergadura para tal, bem poderia iniciar o contra-ataque; porém, o líder socialista e os brilhantes que o rodeiam, de tão frouxos, levam-me a imaginar que, em vez de ‘Beautiful Minds’, no Rato, proliferam ‘Ugley Minds’. E, sendo assim, quem se lixa com as eleições seremos nós, em vez de ser o trapaceiro do Passos a lixar-se para eleições.
Submarinos, Pandur, Portucale, Foral e Tecnoforma foram projectos e despesismo inteiramente socialista. Os escândalos financeiros do PP espanhol, cometidos por Bárcenas e onde Rajoy mergulhou e retirou recheadas as mãos, também integram o ‘dossier’ das ‘despesas socialistas’.
Fico a aguardar a agenda de trabalhos de tais jornadas parlamentares. Será um ‘case study’.