domingo, 13 de janeiro de 2013

Quando vamos gozar uma noite assim ?




O subconsciente, espesso e abarrotado de demagogia, danos, infâmias e sofrimentos causados por políticos falsos, ignorantes e alarves; esse subconsciente, recheado de expressões de comentadores de verve e mentiras fluídas; esse subconsciente, rasurado por escritos de colunistas de massa encefálica banhada do líquido estonteante e sobrante da destilação de cereais e malte; esse subconsciente, atravessado pelo burocrata das finanças, sem discriminações de esquerda ou de direita, que é executante zeloso e orgulhoso de processos de insolvência e falência; esse subconsciente, usurpado pelo banqueiro (ou superbancário?) a dizer ao ‘Zé Povinho’: “Ai aguenta, aguenta…”; esse subconsciente, dominado pelo ar sisudo e distante de outro também banqueiro, penteado com o auxílio de ‘Breelcream’, de brilhantina ou de pasta do género; esse subconsciente, invadido por quem foi ministro e fala a cuspir;… esse subconsciente, que é o meu e igual ao de muitos milhares de concidadãos, uma vez terá a oportunidade de, em sonho breve que seja, nos libertar dessas burlescas e funestas criaturas, transportando-nos por instantes a Mozart, para o gozo de ‘Eine Kleine Nachtmusik’ (Uma Pequena Música de Noite). Quando?