terça-feira, 11 de março de 2014

A reestruturação da dívida assusta Passos e Maduro

Passos inaugurou a nova sede da PJ e ficou perturbado com a notícia do manifesto dos ’70 notáveis’. Medo, muito medo de solicitar medidas de ‘reestruturação da dívida do País’. São ousadas e favoráveis aos interesses nacionais; mas, ele é obediente a Merkel e medroso. Tem pouca capacidade para pensar e decidir por si próprio.
Maduro, que sabe tanto de ‘finanças públicas’ como eu de ‘direito administrativo’, também ficou amedrontado.
Balsemão foi a excepção. Considerou que a reestruturação da dívida é um “acto de boa gestão”, valorizando a sensatez de subscritores como Manuela Ferreira Leite e o Prof. Adriano Moreira. Deu até o exemplo de já ter negociado a reestruturação de dívida por diversas ocasiões.
Passos, um imaturo petulante, e Maduro, um verde palrante, ficaram deveras transtornados. Ignoram, por exemplo, que deveriam incentivar à criação de um grupo de países, um ‘lobby’, no sentido de que o BCE passe ter por função ‘a estabilização do sistema financeiro’ e não se limitar à função de ‘estabilização de preços’.
Omitem o exemplo alemão que é citado no documento, mas igualmente não lhes convém invocar a reestruturação da dívida grega, nem a ambição da Comissão Europeia, de José Manuel Barroso em especial, para captar a Ucrânia para o universo da UE28, com uma pesada dívida pública a reestruturar.
Uma coisa é certa: pelo caminho do aumento incessante da dívida e dos juros anuais a pagar, não vamos lá de certeza. Mesmo que ou porque é Cavaco que acredita que devemos ir por aí.   
O tempo encarregar-se-á de demonstrar quem está certo e não necessários demasiados meses para que se desmistifique a posição do serventuário da Dona Merkel, Passos Coelho.

(Uma última nota: Já em Out-2012, no ‘The Economist’, que tem um posicionamento de direita, se lia: “Sem avançar para uma reestruturação da dívida, Portugal não vai conseguir ser solvente”).