quinta-feira, 3 de maio de 2012

Sarkozy, a derrota anda por aí


Sacré Coeur
Comemorar vitória antes de tempo é, de facto, um exercício arriscado. Se falhar, o incauto optimista sai murcho e machucado.
Todavia, depois do debate de ontem, em que Sarkozy, nervoso e desastrado, saiu de gatas e por Hollande cilindrado, há acrescida crença na vitória do candidato socialista, nas presidenciais francesas do próximo Domingo.
A cimentar a confiança em Hollande, surgiram sondagens após o debate. Todas lhe são favoráveis. Sondagens são sondagens, valem o que valem, mas os peritos e privilegiados no acesso ao oráculo do Sacré Coeur, em Montmartre, juram que o candidato socialista será o preferido. Um candidato, diga-se, católico para uns, judeu para outros, mas confesso defensor da população islâmica. Religiosamente transversal e admirado em todos os credos. Oremos e veremos.
Segundo os presságios das sondagens, sempre malditas se adversas, Sarkozy sofreu novo revés no objectivo de permanecer no Palácio do Eliseu, mais precisamente na Rue Faubourg Saint-Honoré, 55, VIII arrondissement, Paris.
Para desilusão de ‘Sarko’ – e de Merkel, por que não? – o centrista Bayrou, ao contrário da Le Pen que votará em branco, declarou que depositará o voto a favor de François Hollande.
Um conselho:
“Sarkozy, mergulha a alma, a devoção e dirige uma sentida prece ao Senhor; na Notre Dâme ou junto do divino juiz no Sacré Coeur; porque, Sarkozy, a derrota anda por aí e nem os amparos vocais e  sensuais da Bruni compensarão a dor da fuga da vitória”.
Hollande? Inshallah!