quarta-feira, 6 de junho de 2012

Jovens americanos fora do mercado de trabalho

image
Muitos jovens americanos saídos do ensino secundário estão também fora do mercado de trabalho
Para esta geração de jovens, o futuro parece sombrio. Apenas um em seis está a trabalhar em tempo integral. Três em cada cinco vivem com os pais ou outros parentes. A grande maioria — 73 por cento — acha que eles precisam de mais educação para encontrar uma carreira de sucesso, mas apenas metade das pessoas diz que os vai inscrever definitivamente nos próximos anos.
Não, eles não são os jovens ociosos da Grécia ou Espanha ou Egipto. Eles são a juventude da América, o país mais rico do mundo que não têm graduação escolar e não a obterão em breve.
Quaisquer que sejam as histórias sobre recém-formados girando as rodas da vida como empregados de bar ou oficiais de Justiça, a situação de seus pares menos educados é muito pior, de acordo com um relatório do centro John j. Heldrich do Centro de Desenvolvimento da Força de Trabalho na Universidade de Rutgers, programado para ser lançado na quarta-feira. Os dados provêm de um levantamento nacional de graduados do ensino secundário que não estejam matriculados em faculdade em tempo integral, uma população notoriamente transitória que cientistas sociais e outros especialistas tinham tido o problema de controlar. (Nos dois meses desde que o levantamento foi realizado, uma grande parte dos participantes tiveram os seus números de telefone desligados e não puderam ser abordados.)
Para este grupo, encontrar trabalho que pague um salário digno e ofereça algum sentido de segurança tem sido evasivo.
"Eu quero mais dinheiro, e realmente não gosto do que faço", disse Walter Walden, 24, de Wenatchee, Washington, um dos sortudos Membros deste grupo que tem um emprego a tempo inteiro, neste caso, num restaurante. "Eu tive de regressar à escola". Agora vive com a sua mãe para que possa frequentar aulas de enfermagem em parte do tempo.